Escolher uma prioridade

Lá estava eu, por volta dos 30 anos, ainda cronometrando o dinheiro do mês e sem perspectiva de ter nenhum sobrando.

Eu observava meus colegas de trabalho, todos entre os melhores do ramo no Brasil, sempre com dificuldades financeiras. Não ganhavam muito, e também não conseguiam fazer sobrar.

Pra escapar desse destino, comecei a ler sobre educação financeira, e em algum ponto no começo desses estudos, esbarrei nas duas maneiras de ter mais dinheiro:

1) Ganhando mais;
2) Gastando menos.

É tão óbvio que não diz nada, certo? Mil reais ganhos a mais é igual a mil gastos a menos, certo?

Gastar menos é muito mais importante. Isso porque, se você gastar tudo o que ganha, jamais vai poder se aposentar, não importa o quanto ganhe. Se hipoteticamente guardar tudo o que ganha, já está pronto pra se aposentar.

E se gastar a metade do que ganha, parar de trabalhar bem antes das metas do INSS é um sonho possível – dadas algumas condições (como rendimento dos seus investimentos, inflação e taxa segura de retirada).

Então, é urgente gastar o menos possível, e dirigir os gastos para o que for importante pra você – seja lá o que for.

Mesmo aqueles muito ricos tem limites quanto ao consumo. Então, onde fica esse limite é um problema bem menor. Alguns não conseguem viver sem luxos. Outros chegam a ser bem minimalistas.

Já ouviu falar de pessoas com salários milionários e problemas financeiros? Pois é!

Querer tudo ao mesmo tempo é que não dá. Nada funciona assim. A própria expressão “foco em tudo” já é uma piada.

Quem vai te deixar sem problemas financeiros são os poucos reais poupados todos os dias, em hábitos mudados pra melhor. Aquela bolada (loteria, herança, salário milionário, cônjuge rico) é garantida de não chegar.

O primeiro passo é ter uma prioridade. Do ponto de vista financeiro, eu gostei da ideia de me aposentar cedo. E da segurança que essa quantia dá.

E pra você? O que é fundamental?

O segundo passo no próximo post!

6 Comentários

  1. Alex do Nascimento
    ·

    Considero prioritário para hoje, o conforto e bem estar de minha família, creio que necessito ainda de mais disciplina para equilibrar as contas e viver ainda melhor, penso (posso estar redondamente enganado) que; não devemos nós privar do básico em detrimento a um “possível” futuro melhor.

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Concordamos, alex!

      A chave é a diferença entre o básico e o supérfluo. Pelo que eu vi, ao tirar os supérfluos aparece um espaço pra novidades. Que vão muito além do básico.

      Essas novidades também são elegíveis. Você escolhe o que quer, eu também. E são essas escolhas que vão nos dar um presente melhor, seja qual forem, porque afinal, somos todos diferentes.

      E muito obrigado pelo comentário!

      Responder

  2. ·

    ZNP,
    Está sendo ótimo reler as ideias do post que se iniciou na hardmob.

    Uma vida simples, mas bem vivida e lúcida é algo que sempre persegui. Todavia, isso não é simples de ser obtido. É preciso repensar a rotina, os atos e você tem sido capaz de apontar vários deles que a gente perde a consciência.

    Como alguém comentou no fórum, este é um blog para os favoritos. Para ser conferido diariamente!

    Um grande abraço

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Muito obrigado pelas palavras gentis, Gineto!

      O nível dos posts vai melhorar! Esses primeiros são só pra testar.

      E vamos trocar informações sobre dev pra web! 😀

      Responder
  3. FFFBI
    ·

    Muito se diz que ou você tem tempo e não tem dinheiro ou tem dinheiro, mas não tem tempo. O segredo ao meu ver é achar um ponto de equilíbrio entre ambos, porém isso não é nada simples. Exige disciplina, visão, senso crítico e muitas outras características que nem mesmo sei quais são. Um dia espero chegar ao teu nível de conhecimento ZNP.

    Responder
    1. ZNP
      ·

      FF, talvez o desapego seja a resposta.

      Me desculpe essa comparação, mas é assim: a gente vê a maratona inteira e esquece que ela é feita de muitos passos que, sozinhos, não levam a lugar nenhum. São até ridículos, se comparados com os muitos quilômetros de uma competição desumana dessas. Mas quando todos eles são dados na mesma direção, a prova é completada. Comigo tem acontecido desse jeito: estou tentando fazer com que dar os passos seja bom. Se vou completar a maratona, deixo pra pensar na linha de chegada (se é que existe uma). 😉

      E muito obrigado pelas palavras gentis!

      Responder

Deixe sua opinião