Feliz ano novo!

Ano novo, vida nova.

Hora de refazer resoluções guardadas há mais de 11 meses. Resoluções não só grandiosas, mas olímpicas!

Perder 20 kg, poupar mil % todo mês, aprender mandarim, correr a 1ª maratona, fazer 30 barras, estudar 8 horas por dia. Tudo ótimo, mas atalhos pra frustração. As segundas-feiras e seus começos de dietas que o digam.

E se a gente não aguentar mais esperar toda segunda pra emagrecer? Todo começo de mês pra começar a poupar? Todo ano novo pra virar um super-herói?

Começamos hoje mesmo! Fazendo um pomodoro só de estudo! Só 25 minutos! 25 minutos focados, intensos. E depois, quem sabe?

O problema com resoluções olímpicas é que elas normalmente transformam nossa vida numa pista de obstáculos. Eu já estive numa pista dessas, e quis sair dela o mais rápido que pude! Quando saí, nunca mais voltei!

Ao invés de viver numa pista de obstáculos, que tal transformar a rotina numa pista de recompensas?

Basta mudar uns hábitos. Tudo o que temos (ou não), devemos a eles.

Começamos pelos hábitos ruins. A perda de tempo, a procrastinação, os excessos, a falta de disciplina e comprometimento, a auto indulgência excessiva.

Não adianta estipular uma meta de estudar 8 horas por dia. Mudamos os hábitos pra não perder tempo, pra que o estudo seja produtivo, pra aprender e reter informação. O resto é consequência.

Não adianta subir na barra e tentar todo dia fazer 30. Consistência. Não faltar aos treinos, alimentação correta, bom descanso. O resto é consequência.

Ao mudar hábitos e distribuir pequenas recompensas, a rotina nos leva inevitavelmente ao que queremos, seja perder peso, ser mais produtivos, aprender mais e mais rápido ou ter mais dinheiro.

Para 2015, minha resolução é aumentar o tempo de meditação. Vou colocar um limite máximo de uma hora diária. E já sei de onde tirar esse tempo extra. Meu desejo é ter mais paciência, mas ela não vem sozinha. Nem que eu fique esperando.

E o seu hábito novo, qual vai ser?

Deixe sua opinião