Repetição Espaçada

Já vimos aqui como evitar o overlearning, ou seja, reler o material depois de ter entendido e fazer mais exercícios de um assunto que já dominamos.

Também já apontamos duas soluções que se saíram melhor em testes de retenção. E hoje vamos mais a fundo em uma delas.

Repetição Espaçada

Cheguei na faculdade em Pequim para a 1ª aula de um curso de verão intensivo de mandarim, já há alguns anos. Eu estava tranquilo, não era meu 1º curso ali. Era comum fazer cursos curtos entre os semestres.

Mas assim que a aula começou, a professora (que naquele nível só falava chinês), perguntou se alguém tinha alguma dúvida do 1º capítulo! Eu fiquei sem entender. Será que eu tinha faltado uma semana?

A seguir, a professora explicou que, com pouco tempo, os alunos já tinham que chegar com a lição estudada e o assunto dominado, salvo pelas eventuais dúvidas!

Esse estudo prévio é chamado de 预习  (yuxi – preparação do estudo). E depois da aula é feita a 复习 (fuxi – revisão). Assim, ao invés de simplesmente ter contato uma vez com o que aprendeu em classe, o aluno vê a matéria três vezes em pouco tempo. Era assim que um livro inteiro era ensinado em um mês olímpico.

Ao conhecer a intensidade desses métodos, fiquei muito feliz por não ser um estudante de kung fu!

Muito mais importante do que repetir exercícios que já domina, é revisar periodicamente o assunto aprendido. Não precisa sequer ser o material inteiro. Essa técnica, chamada de “repetição espaçada”, é fundamental pra informação passar da memória de curto prazo, pra memória de longo prazo.

Os métodos chineses podem ser vistos como uma variação da repetição espaçada.

Uma boa ideia é começar o dia (ou a sessão de estudo) com o material mais difícil. Uma vez entendido e dominado, não perca tempo com overlearning. Escreva resumos à mão. Passe para outro assunto.

Se for possível, revise o material bem rapidamente antes de dormir e ao acordar. Alguns dias mais tarde, veja o material outra vez, de preferência resolvendo questões e fazendo exercícios .

Como vimos, o melhor intervalo entre as sessões de revisão é entre 10 e 30% do tempo entre a última sessão de estudo e a verificação (prova ou concurso).

Com exercícios e resolução de questões e provas, a revisão fica ainda melhor! Resolver testes e exercícios é a melhor maneira de revisar.

Outra variação de revisão é simular uma explicação. Frequentemente, você só vai reparar que não entendeu um determinado ponto de uma matéria quando tenta explicar à outra pessoa. Faça isso! Dê uma explicação a alguém, mesmo que imaginário, em voz alta. É um excelente teste! E é por isso que escrevo sobre os assuntos que gosto mais!

Quando aprendemos um material novo, novas estruturas são formadas nos neurônios. Sem revisões, elas se apagam. Com revisões, elas se fortalecem. É simples!

23 Comentários

  1. razmth
    ·

    Que lapiseira é essa da foto, Z?

    Parece resistente e boa de escrever.

    Responder
    1. ZNP
      ·

      É uma Faber Castell TK-Fine Vario 0.5 já bem antiga! É bem resistente mesmo, tem uma boa parte de metal e até um amortecimento na escrita. Depois de alguns anos na ativa, subiu ao status de “lapiseira da sorte”! 😀 Não troco por nada!

      Você também tem uma lapiseira da sorte, raz? Se não tiver, essa aí é bem recomendada!

      Responder
      1. razmth
        ·

        Eu tenho uma Staedtler 925 25 05. Vi que a sua é mecânica, igual a minha. Gosto muito dela, mas não sei se ainda posso chamá-la de sorte. Sei que é prazerosa ao escrever, mas o grip dela não tem uma pegada ergonômica como a sua.

        Sobre a repetição espaçada, como organizá-la? Me refiro à de maior tempo, 7, 15, 30 dias e por aí vai. Colocar na agenda me parece pouco prático. A ideia que eu tive ontem, plantando meu tomates, foi de me organizar pela data que colocamos geralmente no topo da folha do caderno.

        Responder
        1. ZNP
          ·

          Opa raz, eu chamo de “lapiseira da sorte” a que uso pra escrever coisas importantes. Só um laço afetivo mesmo! 😀

          Quanto à periodização, deu uma olhada no artigo anterior? Os melhores resultados entre as sessões de estudo estão entre 10 e 30% do tempo entre a 1ª sessão de estudo e a verificação (prova, concurso).

          Como organizar é tema prum próximo texto. Tenho uma sugestão de um método de organização analógico, simples, barato e que está fazendo adeptos em toda parte.

          Anotar a data pode resolver, basta marcar o dia da próxima revisão numa agenda!

          Abração,
          Z

          Responder
          1. razmth
            ·

            O artigo eu li, mas ainda vou ler o estudo. A dúvida que fica é sobre a revisão fatalmente se sobrepor ao estudo do dia, lá na frente.

            De qualquer forma, fico no aguardo das próximas postagens. Não vamos sofrer por antecipação, não é? 😀

            Grande abraço!

          2. ZNP
            ·

            Opa, raz! Esses estudos fatalmente vão se sobrepor! Mas não tem problema: um vai ser o do dia, o outro vai ser uma revisão. Estudar assuntos diferentes pode ser ótimo. É o interleaving, lembra? Além do mais, pode ser que um assunto ajude a criar analogias para o outro – a transferência. A revisão não precisa tomar tempo. Num tomate dá pra revisar muita coisa! Usando flashcards, então… 😉

          3. razmth
            ·

            Mas nas revisões você não inclui auto testes? São eles que tomam um tempo a mais. Ou os deixa apenas para os estudos (a 1ª sessão)?

          4. ZNP
            ·

            Exatamente, raz! As revisões podem ser apenas auto testes. E a sessão está encerrada quando você chega a erro zero. Insistir em exercícios APÓS o erro zero é o overlearning. Mudei os dois textos pra deixá-los mais claros. Poderia dar sua opinião? Obrigado, amigo!

  2. Anônimo
    ·

    ZNP, poderia explicar melhor a questão dos 10% ?? Vou fazer um vestibular daqui a 22 semanas, se eu estudar um assunto hoje, quando eu deveria revisa-lo ? Preciso de um exemplo prático para entender melhor. Grande abraço, obrigado.

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Excelente pergunta!

      No estudo citado, a melhor retenção foi a do grupo que estudou o assunto separando em duas sessões, e não tentando fixar tudo em uma só (o estudo não observou mais sessões).

      O intervalo ideal entre as sessões de revisão, tanto no prazo de uma semana quanto de 6 meses, ficou entre 10 e 30% do prazo entre a última sessão e o teste (corrigi nos textos: antes aparecia “1ª sessão e o teste”). Com o teste uma semana depois da última sessão de estudo, quem viu a matéria com um dia de intervalo entre as duas sessões foi melhor. Em 6 meses depois da última sessão, quem viu a matéria com 1 mês de intervalo foi melhor.

      Em uma semana, fazer o overlearning (repetir exercícios depois da matéria dominada em uma só sessão de estudo) deu resultados melhores do que não fazer (estudando em uma só sessão), mas que desapareceram muito rápido. Em 4 semanas os dois grupos estavam praticamente iguais. Por isso o estudo questionou cursos de imersão de línguas de curta duração – já que os intervalos são pequenos demais para fixarem o conteúdo no longo prazo.

      Então, se seu objetivo é reter a matéria (como no caso de vocabulário ou matemática), você teria desempenho máximo com as duas sessões (caso estudasse apenas em 2 sessões, como no estudo) separadas de 10 a 30% do prazo da última sessão de estudo e o teste. No seu caso, uma sessão hoje, outra em 2 a 6 semanas (10 a 30%), e o vestibular em 20 semanas.

      Certamente, mais sessões, principalmente de resolução de problemas, ajudam ainda mais a fixação do conteúdo. Tentei fazer adendos aos textos originais pra que fiquem mais claros, ok?

      Obrigado por escreverem as dúvidas, porque elas vão me ajudar a escrever textos mais claros e melhores!

      Responder

  3. ·

    Olá, tenho dúvida em relação ao tempo que devo ficar estudando certo assunto,Por exemplo, irei estudar o artigo 1 da constituição, devo estuda-lo até memorizar?as vezes acabo apelando pqra decoreba por que lendo ou escrevendo nao memorizo nada.

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Olá Saks,

      Depende do que se espera da sua prova. É fundamental decorar artigos inteiros? Pode bem ser que, ao invés de decorar todo o texto de um artigo exatamente como ele é, baste memorizar sobre o que fala o artigo. Aí é bem mais tranquilo, né?

      A base é estudar e entender. Depois disso, a cada vez que fizer as questões de verificação do seu estudo e tiver erro zero, pode parar e passar pro próximo assunto.

      As revisões são com questões de prova e exercícios. Também pode usar flashcards (que são uma espécie rápida de teste).

      Ler mais e mais vezes só vai melhorar sua leitura!

      Responder

      1. ·

        Entendi, o jeito é eu partir pra decoreba mesmo, os concursos , principalmente os de nível médio, cobram muito o texto na integra.
        Obrigado! gostei do site.

        Responder
        1. ZNP
          ·

          Obrigado pelas palavras gentis, Saks! Muito em breve vamos entrar em memorização. Serve para concursos e idiomas!

          Responder
  4. juliafealves
    ·

    Primeiramente, quero parabenizar pelo blog! Conteúdos úteis e de ótima qualidade.

    Gostaria de tirar uma dúvida, você retrata a repetição espaçada com 24h, 7, 15, 30 dias… daí eu pergunto: se eu quiser aprender de verdade algo para nunca esquecer, eu tenho que ficar fazendo revisões de 30 em 30 dias? Ou o período muda, tipo, 6 meses, depois 1 anos…

    Desde já agradeço.

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Olá Julia!

      Reparou que as revisões vão ficando cada vez mais distantes? Isso tem relação com a curva de esquecimento. Você pode tanto usar uma caixa com cartões para fazer as revisões (uma caixa Leitner) como usar um sistema de repetição espaçada como o Anki, que é um programa que lembra quando você deve fazer as revisões.

      Por motivos de praticidade, faço revisões diárias, semanais, mensais e semestrais. Se não quiser esquecer nunca, poderia fazer uma outra revisão quatro ou cinco anos depois! Se perder a informação, ela tanto pode voltar pra caixa anterior quanto pode voltar para a caixa diária.

      Se for algo realmente útil – como o vocabulário de um idioma ou informações usadas em sua profissão, o mais provável é que use tanto o assunto que ele se torna familiar. Ou que simplesmente decida que não precisa carregar a informação por tanto tempo mais!

      E muito obrigado pelas palavras gentis!

      Responder
      1. Rafael
        ·

        Zinplez, mas quando você já estiver fazendo a revisão mensal, a informação já não tá na memoria de longo prazo?

        Responder
        1. ZNP
          ·

          Teoricamente, não. Ainda teria a semestral (pelo menos pra guardar a informação por alguns anos). Isso já é mais que suficiente pra provas e concursos, e também para aprender idiomas.

          Lembra de algum curso de línguas que terminou e não estudou mais? Se não usou o idioma rotineiramente depois, com o tempo a informação vai embora!

          Responder
          1. Rafael
            ·

            Mas existe algum limite de revisões em que assunto vai realmente se consolidar na memória de longo prazo? Faz tempo que estou com essa dúvida.

            Obrigado pelas respostas Zinplez

          2. ZNP
            ·

            Olá Rafael,

            O conceito da memória consolidada se baseia na prática, na frequência com que é usada. A memória é dinâmica, e mesmo a memória de longo prazo não é indefinida, permanente. Ou seja, se não usa através da repetição constante, ela está sendo enfraquecida. Isso serve até para aquisição de primeiro idioma. Se a criança se muda e passa a falar outro idioma correntemente, o primeiro é esquecido.

            Como temos um conjunto limitado de neurônios, esquecer é tão importante quanto lembrar. Imagine que você tem um HD de 85GB, e começa a enchê-lo. Em algum momento, ele está perto de ficar completamente cheio, quando você percebe que precisa colocar arquivos mais importantes do que alguns que estão guardados. É isso aí! Uma explicação de um estudo bem recente (publicada ontem!) pode ser lida aqui.

            Abração!

  5. Rafael
    ·

    Entendi, mas as repetições como você falou vão ficando cada vez mais espaçadas né, depois da semestral elas podem ficar ainda mais espaçadas? Como anualmente ou até mais?

    Obrigado pela atenção Zinplez
    Abraço!

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Olá Rafael!

      Isso aí! Vão ficando mais espaçadas! Eu faço até 6 meses. Isso dá anos de retenção. Ou seja, cobre qualquer prova ou concurso e também vocabulário de algum idioma. Se daí pra frente a informação for usada no dia-a-dia, ela não se perderá mais. Seja no meio profissional ou porque está praticando constantemente o idioma (vivendo no exterior, por exemplo). Se em alguns anos a informação não for usada, é sinal de que não precisava mais ficar guardada, e vai sair pra dar lugar a outras.

      Eu é que agradeço o comentário! Abração!

      Responder

Deixe sua opinião