Introdução ao Budismo Tibetano – Parte 2

Quem perdeu a Parte 1 deste artigo, não se assuste. Não estou frequentando um curso de budismo com a intenção de me tornar budista. Estou muito interessado na meditação, e é natural que uma informação leve à outra.

E são tantas técnicas diferentes quanto escolas de budismo (só aqui em São Paulo existe budismo tibetano, Chan (Zen), japonês (Nichiren), entre outros.

Desta vez, pra ser sincero, fui com as expectativas mais baixas. A primeira sessão tinha sido cansativa. A mistura de pouca objetividade com a curiosa participação da audiência por algumas horas mina o entusiasmo. E não foi só comigo. Embora o número de pessoas nesta segunda sessão não fosse muito menor, muitos estavam ali pela primeira vez. Tinham faltado o primeiro sábado – que tratou da vida e iluminação de Siddhartha Gautama.

O tema desta segunda sessão foi “as Quatro Nobres Verdades“. E apesar do título, o assunto é extremamente real, prático. O pensamento de Buda era dirigido para problemas que não saem de moda.

As Quatro Nobres Verdades são:

  1. Realidade do sofrimento;
  2. Origem do sofrimento;
  3. Cessação do sofrimento;
  4. Caminho

Imediatamente, percebi o porquê do Dalai Lama oferecer a visão budista como apoio à psicologia ocidental. E tudo ficou bem mais interessante.

Existe um método para evitar o sofrimento psicológico, que é praticamente uma epidemia no mundo de hoje. Tratar os sintomas, como faz o ocidente, já se mostrou menos eficiente do que prevenir e tratar suas causas.

Espero assistir às próximas sessões e relatar aqui, brevemente, no que consiste esse método, na visão do budismo tibetano.

8 Comentários

  1. Erich94
    ·

    No aguardo das próximas experiências… Retomei minha meditação hoje, fiquei cerca de uma semana sem praticar um único minuto! Mas replanejei meus horários e encaixei a meditação como primeira coisa ao fazer quando acordar.

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Parabéns, Erich! Tá indo bem! Melhor fazer 6x de 10 minutos que uma hora seguida – e sozinha.

      E se quiser ver em 1ª pessoa, reparei que estão marcados vários retiros com meditação pra abril!

      Abração!

      Responder
  2. razmth
    ·

    Essa postagem foi uma maldade! Quando a curiosidade se instalou, rolando a página pelo Flipboard, acabou o post. hahaha

    No aguardo dos próximos relatos. 🙂

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Que bom, raz! Queria fazer o relato mais objetivo possível. Se você ler o link, estará por dentro. Espero em breve começar na parte da meditação propriamente dita!

      E mais uma vez, muito obrigado pelo comentário, amigo!

      Responder
      1. Augusto
        ·

        Acredito que o caminho óctuplo oferecido pelo Buda crie uma moral mais benéfica as pessoas do que os mandamentos oferecidos pela Bíblia cristã, se as pessoas se prestassem a pelo menos tentar seguir o caminho óctuplo haveria uma melhora considerável na sociedade.

        https://pt.wikipedia.org/wiki/Nobre_Caminho_%C3%93ctuplo

        Numa breve interpretação o caminho do Buda praticamente prega pelo auto-conhecimento ( um crescimento da nossa capacidade de entender o mundo), o auto-controle ( não reagir prematuramente a impulsos) , praticar o bem aos seres, praticar o “estar presente” através da meditação … basicamente ele fala sobre um crescimento pessoal, mental, psicológico e social do “eu” humano.

        Interpreto o fato do não mentir, dito pelo caminho da “Fala correta” como uma maneira de evitar um Ripple Effect, onde uma coisa talvez “besta”, era só uma mentiririnha :), após interagir por várias pessoas pode virar uma coisa muito danosa no futuro e até voltar contra você, melhor não arriscar 🙂

        Apesar de não ser budista, frequentei um CEBB por alguns meses e aprendi e discuti um pouco sobre a filosofia.

        Um dia desses postaram no reddit sobre um estudo relatando possíveis benefícios sobre uma exposição a cultura budista, sinto que melhorei depois que passei a frequentar o centro mas acredito que em grande parte tenha sido pelo fato de meditar.

        https://www.reddit.com/r/science/comments/31jchy/study_finds_being_exposed_to_buddhist_concepts/

        Só ainda não consigo entender como a prática do caminho iria levar a uma saída do dukkha ( esse ciclo de fracassos/sucessos-felicidade/tristeza ), mas sem dúvida nenhuma imagino que você melhore como pessoa e passe a se sentir melhor no dia-a-dia.

        Abraço,
        Augusto ( Vanucci na hm xD )

        Responder
        1. ZNP
          ·

          Opa Augusto! Ainda estou muito no comecinho, não tenho como dar impressões sobre sua experiência. Então, concordo com tudo! Ou quase.

          Tenho uma opinião diferente sobre moral e sociedade. Não acredito em caminho melhor ou pior. Sociedades budistas não são necessariamente lugares mais pacíficos que cristãos ou mesmo ateus/agnósticos. Uma sociedade é feita por indivíduos, que fazem escolhas (boas ou ruins) por muitas razões diferentes. E a gente só pode escolher mudar as nossas escolhas, e esperar que isso exerça uma influência positiva o suficiente pra que mais pessoas (talvez, uma sociedade) possam sair do Samsara (que é como chamaram esse ciclo do sofrimento nessa palestra).

          Responder
  3. Augusto
    ·

    Putz, queria fazer um comentário do post e não da resposta hahaah

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Ihh! Consigo apagar, mas não mover! Tudo bem! 😉

      Valeu pelo comentário!

      Responder

Deixe sua opinião