Introdução ao Budismo Tibetano – Parte 4

No último final de semana aconteceu o 4º módulo do breve curso de introdução ao budismo tibetano que tenho frequentado no Centro de Dharma da Paz (é possível ver o gompa – a sala de meditação – nesta foto 360).

Quem perdeu as partes anteriores pode ler aqui os relatos da parte 1, da parte 2 e da parte 3.

O assunto dessa vez foi os Três Principais Aspectos do Caminho (que são a essência dos ensinamentos de Buddha), sendo eles: renúncia, bodhitchitta (a mente da Iluminação) e a visão correta da realidade.

Foram abordados os dois primeiros. A renúncia é abandonar os venenos mentais, que  é um termo usado frequentemente nas palestras pra designar o apego, a culto à própria imagem, ciúmes, inveja, raiva, etc. E fazemos isso com o auxílio das Três Joias: Buddha, Dharma (ensinamentos e práticas) e Sangha (comunidade espiritual – os mestres, monges, e outros praticantes).

Bodhitchitta é a mente da iluminação. Tudo bem se você estiver confuso com alguns termos. Eu também fico! Aqui vai um pequeno glossário com os termos mais usados no budismo tibetano.

O bodhitchitta já é um estado superior, gerado pela compaixão a todos os seres. Curiosamente, a compaixão também se desenvolve através da meditação.

Nessa palestra, os conceitos foram ilustrados por passagens da vida de Buddha e algumas histórias próprias do budismo tibetano. E aí confesso que tenho dificuldades em aceitar alguns conceitos, mas tudo bem. Sou muito grato pelo simples fato de poder descobrir a meditação do budismo tibetano, que é uma corrente muito efetiva de meditação.

Até o último módulo!

4 Comentários

  1. razmth
    ·

    Aliado a esses ensinamentos, todo módulo acompanha de meditação, ou esse ficou só na doutrina? Os conceitos difíceis de aceitar estão mais ligados à religiosidade? Fiquei curioso.

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Bom dia, raz! Não necessariamente esses módulos são acompanhados de meditação, porque são pros iniciantes absolutos. Mas já fui em outros dias, em que o tema era meditação para iniciantes, e aí sim, foram feitas práticas variadas de meditação!

      Pois é, tenho dificuldade em aceitar alguns conceitos ligados à religião. Reencarnação, por exemplo. Mas toda a prática é muito moderna e faz muito sentido! Inclusive abandonar o que não presta e colocar, nesse lugar, o que vale a pena! 😀

      Responder
      1. razmth
        ·

        Bacana demais. Até então, eu estava meditando só deitado, pra dormir. Simples, né? Mas quando parei senti mais dificuldade de me manter focado nas coisas. Por isso hoje decidi iniciar de vez a pratica tanto relax (na hora de dormir), quanto num momento específico, pra usufruir de toda a percepção que a meditação envolve. Comecei pelo Headspace, o app é excelente, pena que bastante caro.

        À princípio também não acredito, mas fico encucado com casos tipo esses: http://www.hypeness.com.br/2015/03/5-casos-curiosos-de-criancas-que-afirmam-se-lembrar-de-suas-vidas-passadas/ 😀

        Bom dia pra você também, Z! Abração!

        Responder
        1. ZNP
          ·

          Esses aplicativos são bem legais no começo. O problema é a dependência. Eu uso “sons da natureza” do youtube, e já fico ressabiado. Um dia corto de vez e faço a meditação “cowboy”, sem nada! 😀

          Responder

Deixe sua opinião