Curso de Meditação Budista Tibetana

Continuando o curso de meditação budista tibetana pela Universidade da Virgínia no Coursera, chegamos à semana 4 com o tema de meditação para calma, que é um tipo de meditação estabilizadora – e não analítica.

O bacana é que, além da base budista, o curso foi montado de forma a que todos tenham acesso e possam aproveitar a enorme quantidade de material (essa semana teve novamente mais de 5h de vídeo), que também é muito diverso.

Cada semana tem o contexto filosófico, histórico, científico, além de oficinas para aprender a prática da meditação, e entrevistas bacanas.

Entre os destaques da semana, estão a descrição das pesquisas do prof Saron, tanto no oriente quanto no projeto Samatha (no Colorado, EUA). A parte sobre os estudos com os monges é ouro puro. Não vou dar nenhum “spoiler”.

Adianto que se tiver familiaridade com estudos relacionando neurociência e meditação, os nomes dos cientistas envolvidos vão impressionar.

Já o Projeto Samatha foi, originalmente, um retiro de meditação de 3 meses realizado em 2007, que coletou uma quantidade enorme de informação, incluindo EEGs, amostras de sangue pra medição de oxitocina, citocina IL-6 (pra acompanhamento da função imune), cortisol, telomerase, etc.

Foram 2 grupos de 30 meditadores experientes meditando entre 6 e 10 horas diariamente. Um foi o grupo de controle, que realizou o retiro alguns meses mais tarde.

E as três oficinas de meditação da semana estão imperdíveis. Como são guiadas, são simples e objetivas.

A entrevista é com Tish Jennings, uma professora e pedagoga, sobre o uso de práticas contemplativas na sala de aula e na formação de professores.

Deixe sua opinião