LCI e LCA

Desde que a meta da selic voltou a subir, no começo de 2013, e que a poupança passou a ter a nova regra (em 2012), em que rende 70% da selic quando esta estiver abaixo de 8,5% ao ano, as LCIs e LCAs passaram a brilhar, e a caderneta de poupança passou a ter saques progressivamente maiores.

Só no 1º semestre de 2015, o montante de saques na poupança foi o dobro de todo o volume do Tesouro Direto. Isso se deve à perda de rentabilidade da poupança, que há algum tempo já perde para a inflação, e também ao desemprego crescente, à perda de renda de quem trabalha e ao aumento de impostos e tarifas.

Bancos de segunda linha começaram a oferecer LCIs e LCAs para captar dinheiro a taxas muito atraentes para os clientes.

Mas afinal, o que são LCIs e LCAs?

São instrumentos de renda fixa (letras de crédito) com lastro em créditos imobiliário e agrícola. Isso quer dizer que a captação tem que ir necessariamente para esses tipos de crédito, servindo como um estímulo a esses setores.

Pra quem investe, não há diferença entre as duas. E a grande diferença dessas letras pra um CDB, ou fundos de renda fixa, é a isenção de IR (Imposto de Renda). Nem sempre essa isenção bate o rendimento de CDBs oferecidos com taxas competitivas, e é bom botar a comparação na ponta do lápis.

A maior parte dessas letras é pós fixada – uma porcentagem do CDI. Mas também existem pré fixadas.

Quem busca as taxas agressivas de bancos menores conta com a segurança do FGC (Fundo Garantidor de Crédito) até o valor de R$250 mil por instituição por CPF. Ou seja, se seu volume ultrapassar isso, é uma boa ideia distribuir entre instituições diferentes.

Boas corretoras costumam oferecer um leque de opções de instituições diferentes, e mostrar suas classificações de risco, pra que o investidor tenha uma noção de onde está se metendo. Não é garantia – a garantia é do FGC! Mas uma nota de crédito já é alguma coisa.

Atualmente, os valores iniciais mínimos variam entre 5 e 30 mil reais. Investir diretamente em instituições separadas pode diminuir esses valores – ao custo da variedade de ofertas das boas corretoras.

O governo já mencionou taxar essas modalidades, mas enquanto isso não acontece, as LCIs/LCAs seguem como boas opções de renda fixa de curto prazo. Os prazos atuais vão de 3 meses a 3 anos. Logicamente, quanto maior o prazo, melhores as taxas.

E enquanto o governo não taxa essas modalidades, uma boa ideia é investir de forma a ter alguma LCI ou LCA vencendo a cada 6 meses. Geralmente não têm liquidez antes do vencimento, ou seja, não pode sacar até o vencimento. As que têm liquidez diária são uma minoria.

Falando em taxas, também é bom calcular as taxas da corretora para o período pretendido. Quanto mais longo o prazo, mais caras as taxas.

É bom mencionar que entre diferenças percentuais pequenas do CDI, pode estar embutida uma classificação de risco diferente ou uma diferença no prazo, e que essas diferenças sobre o CDI não são tão significativas.

LCIs e LCAs ainda valem a pena!

6 Comentários

  1. razmth
    ·

    Muito bom o post, Z! Eu ainda não li sobre as corretoras/bancos menores pra saber como fazer a escolha mais apropriada pra mim. Confesso que tô meio perdido no emaranhado de informações. Queria pelo menos alocar tudo num Tesouro Selic por uma corretora que me ofereça algo próximo de uma conta digital para essa finalidade. Ao que tudo indica a “Izzy” é viável, até gostei do site deles. Mas queria entender melhor os critérios da escolha pra ver o que tem que bate de frente com ela.

    Se quiser me mandar sugestões por MP ou fazer um post instrutivo sobre (sem merchan, haha), aceitarei de bom grado.

    Abraço, Z!

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Grande raz! A Izzy é muito boa pra renda fixa. Mas qualquer modalidade de renda variável já paga custódia. Se for pra ter conta no TD, ela é muito boa! Não cobra nada no tesouro! E do jeito que a economia está, deve demorar até as ações engrenarem. Então, é uma boa corretora! Se quiser investir em RV, uma alternativa é a Rico. Pronto! Vou escrever alguma coisa sobre TD em breve! Bem do começo! E sempre desse jeito: o que é, estratégias e alternativas – que é pra não deixar dúvidas! 😉

      Responder
      1. razmth
        ·

        Muitíssimo obrigado, Z! Os posts estão ótimos. Seria legal se você compartilhar um pouco de matemática financeira também. Percebo que muita gente investe mas fica sempre confiando nas calculadoras online, ou não sabe bulhufas de como calcular os juros compostos com aportes mensais. Eu pelo menos gosto de saber as fórmulas e entender como são deduzidas pra confrontar com sites que jogam fórmulas sem explicar muito e fica sempre o ar da dúvida. Tô inclusive com umas dúvidas em umas fórmulas de canais gringos que são diferentes e não entendi qual é a causa da diferença, mas isso fica para um outro momento. 😀

        Mais uma vez, obrigado!

        Responder
        1. ZNP
          ·

          Opa raz! Vou ver se podemos tocar nisso aos poucos, com objetivos bem definidos e em artigos curtos. Muito obrigado pela boa ideia!

          Responder
  2. BK72
    ·

    Boa. Vou acompanhar esses posts todos.
    Nunca me aventurei nas LCs por medo dessa ameaça de taxação iminente. Sei que tão logo eu o faça, mudam a regra e entra o imposto. E eu não quero prejudicar ninguém com esse meu poder maldito.
    Abracios

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Opa Buko! Eu sempre me aventuro, e tenho algumas que vencerão no fim do ano que vem. Procuro ter sempre alguma vencendo, de forma a ter tempo pra escolher a melhor opção do momento. Com a selic em 14,25%, LCIs ou LCAs são excelentes investimentos. E se a taxação for aprovada só no ano que vem, bem provavelmente só poderá entrar em vigor no ano seguinte. Uma parte foi também para CDB. Seguro morreu de velho, desconfiado ainda está vivo. 😉

      Responder

Deixe sua opinião