A Febre da Meditação

De uns tempos pra cá, não apenas o termo meditação tem aparecido em quase todos os lugares, como a atividade tem sido indicada para um número ilimitado de finalidades.

Estudantes estressados de Nova Iorque, patrões em busca de mais desempenho para seus funcionários, empreendimentos milionários – e bilionários, e até policiais do BOPE carioca – todo mundo na meditação. Este último link cita que Sérgio Cabral, ex-governador do Rio, tem praticado meditação desde que passou a ser investigado na Lava-Jato.

Nesta lista que circulou recentemente tanto na revista Época como no jornal Estadão, o mesmo texto – idêntico nas duas publicações – recomenda meditação como uma atividade “interessante para as pessoas ambiciosas”!

A coisa está chegando num ponto em que Adam Grant,  colunista do New York Times, pede pra turma da meditação dar um tempo no seu artigo “Can we end the meditation madness?” (“Podemos parar a loucura da meditação?”). O professor de psicologia alega que existem outras formas de reduzir o estresse e aumentar a concentração nas atividades diárias, talvez até mais eficazes.

O fato é que a meditação não faz só isso. Mas faz os dois ao mesmo tempo. E entre algumas outras coisas, aumenta a compaixão, a auto confiança e a paciência. Se houvesse uma atividade cujo único efeito fosse aumentar a paciência, eu pagaria um bocado de dinheiro por ela! E ainda é de graça!

É claro, se o seu objetivo é ter funcionários mais produtivos ou fazer mais dinheiro, provavelmente existem atividades mais eficientes.

E as atividades que o professor Grant escolheu para reduzir o estresse aparentemente não funcionam. Ou ele não estaria tão incomodado com os convites pra meditar. Afinal, tem muita coisa nessa vida pior do que um convite pra meditar.

 

2 Comentários

  1. razmth
    ·

    Excelente postagem! As linkagens ainda deixam tudo mais legal. Curti muito o vídeo, deve ser uma sensação estranha haha!

    Abração, Z!

    Responder
    1. ZNP
      ·

      No curso de meditação que postei há pouco, o da Universidade da Virginia, um monge disse que o objetivo da meditação também era importante. E citou caçadores e soldados, que meditariam pra serem mais eficientes. Eu achei meio exagerado, mas quando terminei esse texto, fiquei surpreso! A realidade bateu o exemplo!

      Boa semana, raz!

      Responder

Deixe sua opinião