Idiomas & Mangás – 1

Eu sempre achei fascinantes os títulos de livros e chamadas de artigos que propõem resultados incríveis e quase milagrosos.

Seja “barriga trincada em 2 semanas”, “a semana de trabalho de 4 horas” ou “fluente em 3 meses” (que é um livro bacana do Benny Lewis), pra cada sonho humano existe um segredo sendo vendido por aí: juventude, independência financeira, boa forma, paz de espírito, e até cabelo. Basta conferir as iscas de clique nas beiradas dos sites mais ordinários.

Outro aspecto que não falta é a promessa de resultado sem esforço. E como diz uma amiga, “as pessoas não querem emagrecer – querem ser emagrecidas”.

Isso posto, lembre que você pode escolher continuar como está ou refletir e mudar sua rotina para atingir um objetivo. Não há certo nem errado em nenhum dos dois.

Hoje apresento aqui um plano para desenvolver a leitura em alguns idiomas. Você pode usar as mesmas técnicas para aprender qualquer um.

É de graça! Imagine que você acabou de clicar num daqueles anúncios (bem, você clicou neste!)

PORQUE A ÊNFASE NA LEITURA?

Depois de ter morado uns anos no exterior e ter convivido com estrangeiros de muitas nacionalidades, posso confiar no inglês pra fazer o papel de língua franca na grande parte das situações de turismo (ou no espanhol, se for turismo na América Latina). Se o caso não for turismo, vale aprender o idioma local o mais rápido possível.

Sem a absoluta fluência num outro idioma, seu interlocutor vai pular pro inglês imediatamente. Só os muito generosos continuarão a usar o idioma nativo se você não tiver fluência (ou se não falarem inglês, claro).

Já a leitura te dá a oportunidade de ter contato com conteúdo apropriado para o seu nível de idioma, com a calma de repetir tantas vezes quantas forem desejadas, e no seu ritmo, seja qual for.

E ainda é uma maneira de adquirir vocabulário que os nativos de qualquer idioma só têm a partir dos 5~6 anos – e em alguns casos bem mais tarde.

Por fim, pode ser que você, assim como eu, não tenha amigos ou vizinhos japoneses, não tenha planos de ir para o Japão, nem outras pessoas com quem praticar. Colocar o foco na leitura elimina a desculpa! Você vai aprender.

FLASHCARDS E MANGÁS

Já sabemos que um idioma é uma ponte, não um lugar. Pouca gente quer estudar um idioma indefinidamente. Normalmente, queremos aprendê-lo para acessar algum conteúdo interessante – seja lá qual for.

Os flashcards têm muitas vantagens, entre elas bater a curva de Ebbinghaus. Mas também têm problemas, como a falta de contexto pra gerar ligações fortes com o vocabulário adquirido.

Quem participa da Copa de Procrastinação já sabe que os flashcards funcionam. Mas falta o contexto. Aliás, faltava.

Que melhor maneira de aprender vocabulário do que com mangás? Existem mangás de todos os tipos. E certamente existe algum que você gosta. Caso não goste, pode substituir o mangá por artigos estrangeiros ou livros clássicos. Vamos chegar lá.

O importante é LER e não TRADUZIR! Que a leitura seja de um texto simples o suficiente para que seja lido, não decifrado. Muita gente pensa que pode pegar um livro robusto, traduzi-lo, e estará fluente quando acabar. Provavelmente estará só frustrado (e dificilmente vai acabar).

Procurar cada palavra e expressão que aparecer é um castigo. Uma peça de literatura não precisa ser didática: usa palavras e regras de gramática assumindo que o leitor entende tudo.

A melhor leitura para o estudante é aquela em que ele já saiba alguma coisa e tenha outro tanto para aprender. Livros didáticos e paradidáticos são ótimos. Mangás são excelentes. E para o iniciante, a exposição ao vocabulário mais recorrente na vida real deveria ser a prioridade. Aprender as palavras para comidas, graus de parentesco e dias da semana é mais importante que saber como dizer “punho destruidor”.

Vamos tirar o foco do aprendizado e começar a atravessar a ponte o mais rápido possível!

COMO ESTUDAR

O plano é começar revisando um nível de flashcards no Memrise. Esse nível deverá ser equivalente a um capítulo do mangá. Terminada a revisão, começa a leitura do mangá no idioma alvo. Vamos ler apenas o capítulo equivalente aos flashcards revisados.

Para a leitura, estou usando o Manga Rock. iOS e Android. Paguei pela versão full e não me arrependi. A beleza deste app é que, atualmente, existem fontes de mangá nos seguintes idiomas (volta e meia entram mais): árabe, alemão, inglês, espanhol, francês, italiano, português, russo, vietnamita e mandarim! E é possível até baixar alguns capítulos e ler offline.

Além dos mangás, é possível extrair bom material de leitura do Readability (para artigos) ou do excelente Serial Reader (para clássicos em inglês).

Terminada a leitura de cada capítulo, é importante fazer outra revisão. O nível do Memrise deve ser equivalente ao capítulo lido. Só isso.

Ou seja, a ordem do estudo será:

  1. revisão de um nível de flashcards no Memrise;
  2. leitura de um capítulo de mangá (ou outro material);
  3. revisão do mesmo nível de flashcards.

Aposto como está intrigado. Será que funciona? E de onde virá o material para estudo, já que cada um estuda um idioma diferente por materiais diferentes?

Apenas para provar que o método funciona, montei um curso no Memrise intitulado Idiomas & Mangás! [All you need is kill]. É para o aprendizado de francês, e as traduções estão em português. Este mangá é curto (17 capítulos) e baseou o filme Edge of Tomorrow (com o Tom Cruise).

Quem não conseguiu instalar o Manga Rock pode ler All you need is kill em francês e online aqui (obrigado, GT!)

O que falta? Mais material e em mais idiomas! Como fazer? No próximo texto!

2 Comentários

  1. Soulface
    ·

    Grande Z,

    Ta aí uma coisa que nunca tentei para aprendizado de idiomas; mangás.

    Já tentei de tudo um pouco, viu? Podcasts, livros, memrise e outros diversos apps, sites, series/filmes, acho que cada um agregou um pouco no fim, meu inglês está num nível ‘OK’, uso quase que diariamente no trabalho, mas é aquela coisa, pra falar sobre aquele ‘nicho’ de assunto é aceitável, se eu tentasse falar de outro contexto por exemplo (legumes?), bem fora da minha rotina, é fácil notar que falta muito (do básico ainda) a aprender e passaria apertado no exterior.

    Vale destacar que que o memrise realmente acelerou bastante o aprendizado, usei por cerca de 4 meses quase que diariamente. Comecei algumas semanas aula particular, estou bem animado e me dedicando bastante. Mas é um mal que me consome, sempre começo muito bem, evoluo rapidamente nos primeiros meses, mas depois eu canso e procuro outra forma de me animar novamente começando de outro jeito, e não é só com idiomas essa característica rs

    Responder
    1. ZNP
      ·

      Grande Soul!

      Pois é, o mangá já te dá duas vantagens:

      1- a chance de você focar num ponto cego do seu vocabulário: Se seu problema é com cozinha (legumes, vegetais, processos e utensílios), poderia ler Sougeki no Souma ou Yakitate Japan!

      2- Mantém a motivação ao oferecer enorme variedade de conteúdo em níveis muito diferentes. Ou seja, a chance de gostar de algum mangá e seguir numa série é muito grande! E não porque vai te ensinar, mas pq é divertido! Quando você lê um mangá em outra língua SEM TRADUZIR, já não está estudando – está usando o idioma!

      Juntar o Memrise com um mangá é transformar os déjà vus numa rotina! E ainda tem a CZP pra ajudar no hábito do Memrise! Está super ativa com uma turma bem bacana no fórum! Aparece por lá, Soul!

      Abração,
      Z

      Responder

Deixe sua opinião